Sobre os pilares do descaso

Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, a Ponte Hercílio Luz, símbolo de Florianópolis, pode desabar a qualquer momento, enquanto o poder público tenta – há 30 anos! – salvá-la

  • Imagem da ponte na década de 30. Wikimedia CommonsSe o pior acontecer, não terá sido por falta de aviso ou de tempo – afinal, 30 anos são, sem dúvida, mais do que suficientes para qualquer providência. Mas a Ponte Hercílio Luz, em Florianópolis, Santa Catarina, parece mesmo fadada a simbolizar o marasmo e o descaso do poder público diante de seu patrimônio, tombado pelos poderes municipal, estadual e federal. Há exatas três décadas, a ponte foi fechada para o tráfego – e, desde então, foi aberto o caminho de negociações sem fim. Enquanto isso, três dos quatro pilares estão a ponto de virem abaixo – e, segundo o próprio governo do estado, um vento de mais de 100 quilômetros por hora será suficiente para dar um (triste) fim à história.

    Em novembro, a Assembleia Legislativa de Santa Catarina organizou uma audiência pública com autoridades catarinenses e engenheiros de diversas partes do mundo. Um dos maiores especialistas em estruturas de pontes suspensas no mundo, o engenheiro americano Khaled Mahmoud, da Bridge Technology Consulting, alertou que a estrutura pode cair a qualquer momento. A situação se complica ainda mais por conta do cronograma da obra: a estrutura que poderá sustentar a ponte, evitando uma nova tragédia, só ficará pronta em meados do ano que vem. E o que é pior: próximo à cabeceira da ponte estão instaladas casas da indústria pesqueira, sem contar barcos e lanchas que circulam pela região.

    Info: Deinfra

     

    Nova estrutura já desabou

    Inaugurada em 1926, a ponte funcionou perfeitamente até 1982, quando foi fechada pela primeira vez por medidas de segurança. Seis anos depois, foi liberada para motos e bicicletas, mas voltou totalmente interditada em 1991. Em 2005, o governo do Estado retomou os trabalhos para uma nova recuperação, com previsão de conclusão para este ano. Foram gastos R$ 21 milhões na reforma dos anéis de sustentação e no acesso Ponte sendo construída. Foto: Deinfraao vão central, até notarem que o buraco era mais embaixo: os pilares estavam prestes a ruir.

    O atual projeto começou a ser concebido em 2008 e foi orçado em R$ 170 milhões: uma ponte paralela será erguida sob a atual, a fim de sustenta-la e permitir a reforma das estruturas abaladas. O governo tenta, via Lei Rouannet, conseguir pelo menos R$ 70 milhões, enquanto o estado entra com o restante. Até agora já foram gastos R$ 35 milhões, até que no último dia 11 de janeiro houve um novo revés: um dos novos pilares, que acabara de ser colocada, desabou no fundo do mar. Ninguém sabe ainda como a estrutura, que pesa 100 toneladas, será resgatada. Até agora, já foram colocados 10 pilares, faltando apenas quatro para a base de sustentação da reforma.

    O presidente do Departamento de Infraestrutura de Transportes de Santa Catarina (Deinfra), Paulo Meller, garante que a obra continua e os novos pilares voltarão a ser colocados já na próxima semana. Mas também ressaltou que, de fato, um vento forte é capaz de derrubar a histórica ponte. A base capaz de segurar o monumento está prevista para ficar pronta apenas em meados do ano que vem. Já a reforma completa, só em 2014. Segundo Meller, o maior problema será a reforma dos rótulos, que deveriam acompanhar o balanço da ponte, mas estão fixos devido às corrosões.

    “A reforma não parou. Na semana que vem vamos recomeçar a colocar os pilares de sustentação. Mas, de fato, a ponte corre o risco de cair, justamente por que os rótulos não balançam. O maior risco é termo uma ventania de 120, 130 quilômetros por hora”, conta Meller.

    Em 2004, por exemplo, o furacão Catarina devastou a região. E seguia em direção à ponte, mas os ventos viraram a favor da história.

Compartilhe

Comentários (0)