Ode ao ‘Lavrador de Ipanema’

No ano do centenário de Rubem Braga, editora lança livros que reúnem crônicas importantes do escritor capixaba

Angélica Barros

  • Com textos simples de relato do cotidiano, o escritor Rubem Braga deixou grande legado para a sociedade. O Velho Braga foi o primeiro escritor brasileiro a se tornar conhecido exclusivamente pelo gênero da crônica. A natureza era, para ele, objeto de inspiração. Mesmo morando em um apartamento em Ipanema, na Zona Sul do Rio, se cercou de árvores e plantas. Capixaba de Cachoeiro do Itapemirim, ganhou do amigo Paulo Mendes Campos o apelido de “Lavrador de Ipanema”.

    O nome foi escolhido para batizar a mais nova coletânea de crônicas inéditas do autor, lançada pela editora Record. O livro homenageia o centenário de seu nascimento e sua paixão pela natureza, com textos como Essas amendoeiras e o Protetor da natureza.  A obra conta ainda com ilustrações de temas botânicos feitas especialmente para o livro, projetadas pelo ilustrador Andrés Sandoval.

    Braga era incansável, construiu uma obra considerável e vasta. Durante suas andanças pelo Brasil, no período em que era jornalista e correspondente, escrevia crônicas diárias. Este outro aspecto de sua obra está ilustrado em uma outra coletânea, também lançada no ano do centenário:  200 crônicas escolhidas (Record, 2013).  O livro reúne textos muito conhecidos, como O príncipe da crônica e O sabiá, além de uma série de títulos escolhidos em tempos mais remotos pelo próprio Rubem Braga com ajuda de Fernando Sabino. O prefácio de José Castello, que além das informações necessárias sobre a vida do autor, fala de sua identificação com o estilo literário através do qual ficou conhecido: um “grande gênero dedicado às coisas pequenas”. 

    Os dois livros, Lavrador de Ipanema e Crônicas Escolhidas, se tornaram referência para conhecer um pouco mais sobre o cronista, que certa vez, em depoimento ao amigo Fernando Sabino, se definiu como “uma máquina de escrever com algum uso, mas em bom estado de funcionamento”. Mas, também, uma referência da se aprofundar na literatura brasileira.

     

     

     

     

Compartilhe

Comentários (0)