Falando de guerra

Obra juvenil retoma trajetória de Anne Frank.

Rodrigo Elias

  • Lá fora, a guerra. O mundo de Anne Frank

    Janny van der Molen

    183 páginas, R$ 34,50

    Rocco Jovens Leitores

     

    Tarefa difícil a de tratar o intratável. Dos horrores vividos pela humanidade, é improvável que o genocídio nazista, ainda tão próximo de nós, deixe um dia de figurar entre os principais. Para alguns, temas tão dolorosos, vergonhosos e, assim, indizíveis devem ser trancados nas prateleiras mais altas das estantes, bem longe dos leitores miúdos. Para outros, entretanto, é justamente no compartilhamento refletido dos maiores sofrimentos que se pode vislumbrar, entre os que permanecem caminhando, a humanidade.

    A escritora Janny van der Molen consegue reconstruir em linguagem muito apropriada para o público juvenil a tragédia desencadeada pela ascensão de Adolf Hitler ao poder na Alemanha, cristalizada na famosíssima trajetória da adolescente Anne Frank – judia alemã que viveu com a família na Holanda e morreu em um campo de concentração aos 15 anos de idade, em 1945. Conhecida pelas ricas anotações em diário descoberto após o conflito, Anne viveu durante dois anos em um esconderijo com a família e outros perseguidos, até que seguiu em um comboio para Auschwitz. O período do esconderijo foi ricamente documentado pela própria adolescente, e vários estudiosos recriaram o restante do percurso a partir de outros documentos e de depoimentos de pessoas que a conheceram.

    O livro de Van der Molen toma liberdades narrativas para imaginar pensamentos e diálogos da personagem, aproximando os leitores do universo de uma menina feliz, inquieta e com aquela fagulha tão própria dos que querem viver e contar histórias. O corpo de Anne Frank foi maltratado e destruído pelos partidários do ódio e da intolerância. A divulgação da história da sua vida entre as novas gerações é um imperativo.

     

    Rodrigo Elias é editor da Revista de História da Biblioteca Nacional e autor da tese "Escrever em tempos difíceis. A propósito de dois textos também políticos de Tomás Antônio Gonzaga (1768-1789)". (UFF, 2014)

     

     

    Atividade Proposta

     

    Público-Alvo: Alunos do 2º e 3º ano do Ensino Médio.

    A partir da leitura do livro de Janny van der Molen – que deverá ter sido lido por todos os alunos - e de alguns trechos do diário de Anne Frank os alunos devem pesquisar outras narrativas, dado preferência à história de sobreviventes do Holocausto, e partir delas construir uma narrativa biográfica destas pessoas. A ideia é que a turma esteja dividida em grupos e que cada um dos grupos fique com uma localidade diferente: Polônia, Alemanha, Áustria, etc.

    Após o término da atividade sugerimos que o professor dirija uma discussão sobre o tipo de violência que envolve o holocausto, e sobre a importância de exercícios de memória como este.

     

    Bibliografia sugerida para o professor:

     

    Hannah Arendt, Eichmann em Jerusalém. São Paulo: Companhia das Letras, 1999

    Hannah Arendt, As origens do totalitarismo. São Paulo: Companhia de Bolso, 2013

    Demétrio Magnoli, História das Guerras. São Paulo: Editora Contexto, 2006.  

    Revista de História da Biblioteca Nacional 88, Nazismo no Brasil

    Revista de História da Biblioteca Nacional 116, Fim da Guerra

Compartilhe

Comentários (0)